Mundo de Coisas Minhas

Posts Tagged ‘livros

Pessoal, é com muita alegria que eu anuncio que estarei nessa antologia de contos que tem como tema principal o fim do mundo!

Meu conto se chama “Uma Canção Para o Fim” e explora a ideia de apocalipse numa mistura de fantasia, sobrenatural e, claro, um drama básico.

Dias Contados Vol.3 - Contos sobre o fim do mundo

A ideia desse conto surgiu meio que derivada de uma história que inventei para um romance, uma história maior. No caso o conto narraria coisas que aconteceram antes dessa possível história que um dia, quem sabe, eu irei escrever.

O clima do conto é meio caótico, afinal, é o fim do mundo! A abordagem que escolhi foi narrar tudo do ponto de vista de uma personagem em especial, então as coisas acontecem na cabeça dela. E bem, eu imagino que viver o fim do mundo seja no mínimo uma experiência confusa, então isso refletiu no conto. rs

A parte mais difícill foi mesmo narrar o final do conto, porque eu tinha que colocar várias coisas num espaço pequeno. Confesso que sou mais escritora de romances, em que a gente pode divagar pra sempre, então contos sempre exigem muito de mim porque eu sou uma pessoa bastante prolixa. 🙂 Mas gostei bastante do resultado final.

Agradeço imensamente a três pessoas que me ajudaram muito com esse conto.  Primeiro Karen Alvares e Nívia Fernandes (Nikaaaaaaaari) que me ajudaram coma  primeira versão, dando ideias e sugestões para que o final do conto pudesse sair do melhor jeito possível. Meninas, vocês são as melhores revisoras do mundo! Depois agradeço ao Anderson Borges, amor da vida toda, que leu o conto na sua segunda versão e fez sugestões críticas muito pertinentes, inclusive, melhorando o título. Amor, você é bom demais com títulos! 🙂 Obrigada pelas ideias e por passar segurança!

A publicação é da editora Andross e o lançamento do livro será no dia 9 de junho, em São Paulo, no China Trade Center às 15hrs. Quem for de SP, não deixe de dar uma passadinha lá e se apresentar, porque eu estarei lá!

Quem tiver interesse em adquirir o livro, pode entrar em contato comigo depois do dia do lançamento. Quem quiser saber mais sobre essa antologia, é só clicar aqui.

Estou super feliz, pessoal! 🙂

Confiram o booktrailer pra entrar no clima!

Ah, lembrando que a Andross vai lançar outras antologias com temas diferentes também no dia 9 de junho. Dentre elas, temos:

Todos esses vão ter contribuição da Karen Alvares, a minha companheira de escrita.

E mais uma vez cá estou eu para fazer uma resenha do incrível John Green (para ler outras resenhas de livros dele, clique aqui). The Fault in Our Stars é um livro sensível, engraçado, trágico e provocador. Afinal, é um livro sobre câncer sem ser um livro sobre câncer.

Hazel tem 16 anos e câncer desde os 13. Ela precisa andar com um cilindro de oxigênio pra onde quer que vá, pois não consegue respirar sozinha. Mas ao invés de uma história melodramática sobre uma pobre garotinha com câncer, o livro nos apresenta a história de uma garota comum. Isso mesmo. Hazel vive incertezas, medos, ansiedades e também alegrias de ser, bem, jovem.

Esperei ansiosamente por esse livro (afinal, o meu foi uma das cópias autografadas pelo John Green da primeira edição da Amazon!) e ele não me decepcionou. A vontade que eu tinha era de ler tudo em poucas horas, mas infelizmente não pude porque às vezes a vida é chata e não deixa. blé

Os personagens, como sempre, foram bem envolventes. Além de Hazel, que é a narradora da história, temos Augustus Waters (um outro garoto com câncer que não é um garoto com câncer), Isaac, os pais de Hazel e o escritor Peter Van Houten. Todos eles incrivelmente reais aos olhos do leitor. E mais importante: nenhum deles trata um paciente de câncer como um paciente de câncer. Isso porque uma das coisas mais interessantes que esse livro nos faz pensar é justamente que uma pessoa não pode ser reduzida à doença que tem. Seja essa doença câncer, AIDS, paralisia, etc.

Mas isso não quer dizer que questões sérias relacionadas à doença não são discutidas no livro, porque são. Medo da morte, cegueira, dor, tudo isso é trabalhado de uma forma muito próxima, mas sem se tornar cliché. Inclusive John Green, como sempre, brinca com o cliché criando situações que seriam aparentemente clichés somente para subvertê-las depois.

Outra questão abordada no livro é a do escritor. Até que ponto não criamos para nós uma imagem de um escritor como alguém incrível e sensível, mas que na verdade só é uma pessoa comum, com medos e tudo mais?

The Fault in Our Stars é John Green em sua melhor forma. Uma leitura obrigatória para quem gosta do autor ou simplesmente de livros que te fazem questionar (e se emocionar com) algumas coisas que damos por dadas nesse mundo.

O livro ainda não foi traduzido no Brasil, mas pra quem lê em inglês, vale muito a pena!

O título The Fault on Our Stars foi retirado de uma fala clássica da peça Julius Caesar, de Shakespeare, em que Cassius diz a Brutus que a culpa não está nas estrelas, mas sim em nós mesmos.

Depois de me fazer debulhar em lágrimas e sentimentos conflitantes com Quem é Você, Alasca? [Looking For Alaska], John Green dessa vez me atirou no mundo da ansiedade adolescente que busca incessantemente entender o que não dá pra entender: porque algumas pessoas levam o pé na bunda enquanto outras aplicam o pé na na bunda.

An Abundance of Katherines é o segundo livro de John Green (John Green, ai me Deus, John Greeeeeeeeeeeeeeeeen!) e infelizmente ainda não foi traduzido no Brasil. *cruzem os dedos, pessoal * Peguei em prestado com a Amanda pra variar e li em poucos dias. Na verdade, foi o último livro que li em 2011. Então fechei com chave de ouro, acho.

O livro conta a história de Colin, um garoto super dotado que vive com o peso de não ser um gênio. Isso mesmo, Colin aprende coisas super rápido – principalmente anagramas, sua obcessão, e coisas relacionadas a línguas – mas isso não faz com que ele seja especialmente genial. O problema é que Colin se sente pressionado a fazer uma descoberta incrível ou algo que o torne para sempre imortal.

Mas essa não é a única coisa que preocupa Colin, muito menos a característica que o torna diferente dos outros. Além de seus talentos linguísticos e ansiedade crônica, Colin precisa de Katherines. Isso mesmo. As 19 namoradas de Colin até então foram todas Katherines. E ao levar um pé na bunda da última, ele acha que precisa arrumar um jeito em sua vida. Ou seja, inventar uma fórmula/teoria que explique todos os relacionamentos amorosos antes mesmo que eles aconteçam!

Juntamente com Hassan, seu melhor amigo mulçumano, Colin parte numa viagem de carro um tanto inusitada que o levará a muitas descobertas. Uma história sobre lidar com a própria ansiedade e as próprias obcessões pessoais; An Abundance of Katherines rende momentos emocionantes, mas também momentos hilários com aquele toque sensível que só John Green tem!

Confesso que demorei um pouco a engatar nesse livro que não me fisgou logo no começo. No entanto, quando finalmente entendi Colin como personagem, não consegui mais parar de ler. Adorei as notas de rodapé que explicam as obcessões de Colin mais o apêndice que explica a matemática do teorema Katherine. É um livro instigante que me fez pensar bastante na minha vida, principalmente no sentido de que muitas vezes esperamos muito de nós mesmos, esperamos um futuro para nós, e nos esquecemos de ver que no nosso presente há coisas incríveis acontecendo. Além de que muitas vezes deixamos que nossos objetivos pessoais simplesmente determinem quem nós realmente somos ao invés de o contrário.

Nem preciso dizer que recomendo muito esse livro. John Green com certeza é um dos melhores escritores dessa nossa década e merece ser valorizado como tal.

Pra quem quiser mais saber o livro, confiram o site oficial de John Green que tem muitas curiosidades e também uma página de perguntas e respostas elaborada pelo próprio autor. Inclusive tem uma parte muito interessante em que ele rebate os críticos dizendo que nunca foi uma criança prodígio e que este livro não é nem delonge uma história sobre sua própria adolescência. Ah, e que ele nãoé bom em anagramas! Está em inglês.

A fórmula inventada por Colin. Inclusive, em alguns sites da internet dá pra realmente aplicá-la ao seu relacionamento...

Seguindo o exemplo do ano passado, estou postando minha Lista de Livros Lidos em 2011. Sim, eu sei que o Skoob faz isso, mas sempre acho legal postar aqui no blog e ter um olhar mais distante do que realmente li esse ano.

Primeiramente, tenho que dizer que por conta da faculdade, acabo lendo muitos textos e livros teóricos. Bem, não os coloquei na lista. Só incluí mesmo romanes, livros de contos completos, peças de teatro, livros de auto-ajuda/saúde s e livros de ensaios completos. E no final, vai minha lista de releituras.

Acho que está na ordem de leitura. Acho.

Ah, os livros que foram resenhados são os links. Só clicar pra ler a resenha, okay?

Romances

  1. Feios, Scott Westerfield
  2. A Conspiração Franciscana, John Sack
  3. Perfeitos, Scott Westerfield
  4. The Tales of Beedle, the Bard, J.K.Rowling
  5. A Caçadora Vol.1: Sorriso de Vampiro, Vivianne Fair
  6. Harry Potter and the Sorcerer´s Stone (Special Anniversary Edition), J.K.Rowling
  7. Coração de Tinta, Cornelia Funke
  8. Guerras do Mundo Emerso Vol.1: A Seita dos Assassinos, Lícia Troisi
  9. Guerras do Mundo Emerso Vol.2: As Duas Guerreiras, Lícia Troisi
  10. Tambores de Angola, Robson Pinheiro por Ângelo Inácio
  11. A Escolha de Elphame, P. C. Cast
  12. As Crônicas de Gelo e Fogo Vol.1: A Guerra dos Tronos, G.R.R. Martin
  13. Neon Angel: A Memoir of a Runaway, Cherie Currie & Tony O´Neill [sem tradução no Brasil]
  14. Academia de Vampiros Vol.1: O Beijo das Sombras, Richelle Mead
  15. As Crônicas de Gelo e Fogo Vol.2: A Fúria dos Reis, G.R.R. Martin
  16. Looking For Alaska, John Green [Quem é você, Alasca?]
  17. The Hunger Games, Suzanne Collins [Jogos Vorazes]
  18. Cathing Fire, Suzanne Collins [Em Chamas]
  19. Mockingjay, Suzanne Collins [A Esperança]
  20. Academia de Vampiros Vol.2: Aura Negra, Richelle Mead
  21. Beautiful Creatures Vol.1: Dezesseis Luas, Kami Garcia & Margaret Stohl
  22. Anna e o Beijo Francês, Stephanie Perkins
  23. An Abundance of Katherines, John Green [sem tradução no Brasil]
  24. As Sagas da Terra de Arnes: À Sombra do Cavaleiro Negro, Oberdan Lira

Livros de Contos

Moral Disorder, Margaret Atwood [sem tradução no Brasil]

Peças de Teatro

The Rover, Aphra Behn

Livros sobre saúde

Preservação da Saúde e Controle do Estresse, Michel Echenique Isasa

Livros de Ensaio

  1. Survival: A Thematic Guide to Canadian Literature, Margaret Atwood
  2. Second Words, Margaret Atwood
  3. Negotiating With the Dead: A Writer on Writing, Margaret Atwood

Releituras

  1. Oryx and Crake, Margaret Atwood [Oryx e Crake] Romance
  2. The Year of the Flood, Margaret Atwood [O Ano do Dilúvio] Romance
  3. The School for Scandal, Sheridan [sem tradução oficial] Peça de Teatro
  4. Lord of the Flies, William Golding [O Senhor das Moscas] Romance

Saldo total de livros lidos: 30 livros

Total de releituras: 4 livros

Ano passado foram 32 livros lidos e 13 releituras, mas não considero esse ano um retrocesso de modo algum. Fiquei praticamente 5 meses parada, só lendo livro teórico para escrever meu projeto de seleção pra pós-graduação. Li muita teoria. Quando finalmente terminei de estudar, pude me dedicar a ler o que eu queria, e olhando agora, percebi que li muita coisa que eu quis. Principalmente livro de fantasia/sobrenatural/ficção científica, que é o que realmente gosto.

Percebi também que escrever nos meus dois blogs, esse e o Livros de Fantasia, realmente me animam mais a ler e a organizar meus planos de leitura. Estou muito feliz com minha vida de blogueira séria que agora vai fazer dois anos. Eeeeeeeeeeeeh! Obrigada a todos vocês, meus leitores, pela confiança na hora de indicar livros! Vocês são muito especiais com certeza.

Desejo a vocês um ótimo 2012 com muitos livros e muito tempo para ler os livros que vocês mais querrem ler!

Um livro leve, tranquilo, fofo, bonitinho e perfeito para uma leitura de férias. E aí, que tal colocar Anna e o Beijo Francês pra sua lista de livros até o fim do ano?

Esse livro é uma comédia romântica teen e enquanto lia eu ficava pensando “mas isso podia ser um filme e passar na Sessão da Tarde, e eu ia adorar!”. É o tipo de livro que deixa com a coração leve, acreditando no amor e gostando dos clichés, como toda comédia romântica faz. hahahaha Obviamente o livro conta a história de Anna, uma garota que se muda forçadamente para Paris e começa a estudar na School of America. Em meio ao drama de ter que aprender a falar francês e superar seus dramas familiares (o pai dela é tipo um autor de romance de banca e ela o detesta por isso), Anna conhece Étienne St. Clair, um americano/inglês/francês baixinho e super engraçado. Amor à primeira vista, claro. Mas ele tem namorada. Eita.

Só dizendo que esse é o tipo de livro que eu NUNCA compraria. Sério. O título e a capa provavelmente me bloqueariam para sempre. Só comecei a demonstrar interesse porque li essa resenha da Ily no blog Por Essas Páginas em que, além de dizer que o livro era ótimo (eu confio na Ily pra indicar livros porque ela normalmente sabe o que eu gosto ou não), ainda dizia que John Green estava recomendando o livro e, citando diretamente o post da Ily: “porque se você não pode confiar em John Green para indicação de bons livros YA, você não pode confiar em ninguém”.

Minha irmã comprou o livro mês passado e eu resolvi entrar na fila de espera pra ler. E posso dizer que li tudo em um dia. A história, apesar de seus clichés ou talvez  justamente por causa de seus clichés, prendeu minha atenção e eu ficava suspirando por conta da fofura que é Étienne e Anna (Amanda Pavani, se você estiver lendo isso, fique longe desse livro porque eu utilizei a tag “casais fofinhos” para defini-lo!!! hahahaha).

Várias cenas no livro me lembraram de situações da minha própria vida (não vou contaaaaaaaaaaaaar) ou da vida de amigas minhas. E isso contribuiu para que eu gostasse do livro, pois deu aquele tom real, não aquela coisa forçada que provavelmente não acontece com ninguém.

Só reclamo mesmo é da edição da Novo Conceito que foi simplesmente porca! As marcas de diálogos estavam super confusas (ficava difícil entender se a pessoa estava falando, pensando ou se era simplesmente a Anna/narradora descrevendo a ação!) e a tradução/revisão também não foi boa. Algumas vezes termos que eram apresentados em inglês depois voltavam em português e vice-versa. Algumas referências simplesmente não fazem sentido pra quem não entende inglês e nenhuma alternativa foi criada para resolver esse impasse. Num livro que tem um trecho falando explicitamente de aspectos téoricos da tradução, eu achei imperdoável.

De qualquer forma, se você gosta de comédia romântica, leia Anna e o Beijo Francês, de Stephanie Perkins, nas suas férias.

saga série Crepúsculo está chegando ao fim nos cinemas com seu final super controverso. Eu confesso que só li o primeiro livro, mas assisti os outros filmes e quando minha irmã me contou o final da série eu falei WTF???????? Bebê-monstro???? Guerra que no final não é guerra???? Amores do passado simplesmente esquecidos por conta de bebê-monstro????? Bella começa a tratar Jacob que nem lixo só porque virou vampira???? Imprint num bebê recém-nascido???? Quê???????????

Eu não enguli essa (e sei que até alguns fãs da série também não), então resolvi criar um final diferente. hahahaha Eu contei pra minha irmã e ela gostou, então vai aí meu Final Aternativo para Amanhecer, também como conhecido por “Como seria Amanhecer se Melissa de Sá tivesse escrito e não Stephanie Meyer”.

Espero que gostem.

O livro começa com Bella preparando-se para o casamento. Ela está cheia de dúvidas se deve ou não se casar com Edward, mas no fim das contas se apega à idéia que essa será sua chance de finalmente se tornar uma vampira. Edward, por outro lado, começa a rejeitar a idéia, e fica convencendo Bella que ela não deveria se tornar uma vampira. Ele diz que a vida de vampiro é uma vida amaldiçoada e que Bella não deveria rejeitar as possibilidades da vida humana sem pensar muito e profundamente no assunto. Bella fica com raiva porque acha que já está pensando muito e profundamente sobre o assunto, mas acaba não dizendo nada e ouve o que Edward tem a dizer sobre o fato de os vampiros não terem alma. Ela diz “Você se preocupa demais com isso”  e ele completa “Você também se preocuparia se não tivesse uma”.

Os dias passam e os pensamentos de Bella são varridos pelos preparativos para o casamento. Com tanta coisa pra fazer, ela nem consegue mais pensar nessa coisa de se casar jovem nem de ser transformada em vampira. É nesse contexto corrido que ela recebe uma carta anônima com os dizeres: “Nós sabamos que Edward Cullen jamais completará a transformação”. Bella fica aflita, mas não consegue descobrir quem mandou a carta. Decide não contar nada para Edward, pois acha que isso só irá contribuir pro fato de ele não querer transformá-la em vampira.

Mas as cartas anônimas continuam chegando, sempre no mesmo envelope carmim. Todas dizem a mesma coisa: que eles sabem que Edward não a tornará uma vampira, mas as ameaças começam a ficar mais e mais concretas até que uma carta específica diz: “Se ele não te transformar na sua noite de núpcias, sangue terá que ser oferecido”. Bella fica desesperada, mas não conta das cartas para Edward, e fica só tentando convencê-lo a transformá-la. Edward fica cansado daquele assunto e finalmente dá um ultimato: não, ele não irá transformá-la.

Bella fica furiosa e diz que ele não podia escolher aquilo por ela, mas Edward faz uma cara de sou-mais-velho e encerra o assunto, o que só deixa Bella mais revoltada ainda. Mais uma carta chega, mas dessa vez o envelope é branco, como um convite de casamento. Bella, que esperava mais uma ameaça, fica chocada com o conteúdo “Eu sei o que você quer. Podemos oferecer isso a você. Nos encontre à meia noite na esquina da rua X e faremos o acordo”.

Mesmo com todas as possibilidade contra, Bella resolve ir, claro, e sem ninguém. Ela esperava encontrar um Volturi, mas encontra apenas um vampiro mais jovem e um tanto maltrapilho. Ele tem os olhos estranhamente enevoados, como se estivesse numa espécie de transe. Bella tenta falar com ele, mas o jovem vampiro só consegue repetir o recado “Podemos transformá-la, mas se tivermos que fazer isso, os Cullen terão que sofrer por quebrarem um juramento. Convença-o de todas as formas, ou busque seus próprios meios. Qual a sua resposta?”. Desnorteada, Bella dá a resposta de que tentará convencer Edward, mas o vampiro à sua frente lhe joga um pedaço de papel contendo as palavras “Beba o sangue do vampiro”. De repente uma chama negra aparece entre Bella e o vampiro, que diz “O acordo está selado” e desaparece nas sombras.

Bella entra em pânico com o ocorrido e decide que precisa de procurar ajuda (bright girl, right?), mas rejeita a idéia de contar a Edward que com toda sua superproteção estragaria tudo. Resolve então, dirigir até a reserva para falar com Jacob. De início, Jacob rejeita Bella pois ainda está com raiva de ela estar se casando com Edward, mas quando ela diz que tem um problema muito sério, o lobisomem resolve conversar com ela.

Bella conta tudo o que aconteceu, das cartas e do encontro com o vampiro. Finalmente mostra a Jacob o bilhete que recebera e da chama que se acendera. Jacob fica revoltado e quebra uma cadeira. Chama Bella de irresponsável e grita que ela devia ter pedido ajuda e não simplesmente ir lá tentar resolver tudo, e que agora ela estava enrascada. Bella não entende, mas Jacob explica que a chama negra significava um pacto com as trevas e que se ela não cumprisse, morreria. Bella fica apavorado e pergunta o que o bilhete quer dizer. Jacob diz que não sabia, mas que não devia ser nada bom. Ele jura que vai proteger Bella.

Nos dias que se seguem, Bella tenta encontrar informações sobre o conteúdo do bilhete. O Google dessa vez, porém, não ajuda muito. Só havia referências de que beber o sangue do vampiro era um ato maligno, mas disso Bella já desconfiava, claro. Ela resolve então perguntar diretamente um dos Cullen e escolhe Jasper. Ele fica suspeito do porquê Bella está perguntando aquilo, mas ela desconversa dizendo que ouviu os Volturi falarem disso uma vez. Mesmo com a pulga atrás da orelha, Jasper diz que alguns vampiros algumas vezes bebiam o sangue de outros vampiros, mas que esse ato era considerado desprezível. Isso porque o vampiro que tinha o sangue bebido tornava-se um escravo das vontades daquele que lhe tirara o sangue, mas isso tinha um preço: o vampiro que fazia isso perderia metade de seus poderes. Bella pergunta o que aconteceria se um humano bebesse o sangue de um vampiro e Jasper diz: “De acordo com a lenda, se um humano beber o sangue de um vampiro, ele se transformará em um vampiro também”. Mas Jasper acrescenta que nunca ouviu casos de que isso tenha acontecido e que era possivelmente só uma lenda.

Mas Bella, claro, começa a estudar essa possibilidade. Edward percebe que ela está estranha, mas Bella nega as investidas dele. O casamento se aproxima e Bella começa a entrar em desespero porque tem que se decidir. Começa a ter pesadelos com a chama negra. Após um pesadelo especialmente horrível, Bella acorda e vê que Edward está velando seu sono (o psicótico, affe) e começa a implorar para que ele a transforme em vampira. Quando ele começa a dizer que não, Bella diz: “Você não entende, se você não fizer isso, eles vão me matar!!!”.

E ela conta toda a história das cartas e encontros estranhos. Edward inicialmente fica doido de raiva, mas depois canaliza sua raiva para protegê-la. Ele diz que não vai transformá-la e que ao invés disso, travará guerra aos Volturi. Bella conta da chama negra e Edward fica mais preocupado, mas diz que o casamento estava suspenso e que agora era hora da guerra.

No entanto, antes que Edward organize sua guerra, acontecimentos estranhos começam a ser reportados na polícia. Desaparecimentos, sequestros, assassinatos. Os Cullen e os lobisomens suspeitam que são vampiros. Durante uma investigação, o pai de Bella é morto. Ela fica transtornada e decide que aquilo tem que parar. Os lobisomens fazem uma aliança com os Cullen a fim de combater um inimigo comum. A notícia se espalha pelo submundo. Vampiros de vários lugares do mundo chegam a fim de se juntar aos Cullen, que descobrim, enfim, que não eram o único clã de vampiros que viviam pacificamente com os humanos. Que haviam muitos outros.

Bella conhece então pessoalmente outros humanos que viviam com os vampiros, inclusive, humanos casados com vampiros. Ela fica surpresa com o caso de uma mulher de 45 anos que vivia a mais de vinte com um vampiro. A luta dos Cullen então passa a ser ideológica: aquela era uma guerra para coexistência pacífica entre vampiros e humanos, pelo direito de vampiros e humanos poderem viver juntos!

A luta estoura, finalmente, e Bella se vê na posição de não poder fazer muita coisa. Durante a luta, Emmet é morto e Rosalie culpa Bella pela morte dele. Arrasada, ela resolve se entregar aos Volturi. Entre as baixas, o pai de Edward e alguns amigos lobisomens de Jacob. Bella e Edward se tornam o símbolo do desejo de vampiros e humanos viverem juntos e durante as reuniões antes da luta, os combatentes saúdam os dois e sonham com o casamento deles.

Bella conta a Edward da chama negra e diz que fez um pacto. Se ele não a transformasse ou besse o sangue dele, morreria. Edward diz a ela para não se preocupar, que ele resolveria tudo, no fim. Os dois passam a noite juntos, mas não fica claro se eles transaram ou não. hahaha

A luta segue e chega ao seu final. Bella, claro, se mete no meio. É nessa que um vampiro do exército Volturi a atinge. Depois de bater nela, ele diz: “Mas não vou matá-la. Vou te dar o doce sabor do vampiro”. Apavorada, Bella percebe que ele vai mordê-la. De repente, percebe, em pânico, que a imortalidade tão sonhada estava próxima e não sabe como sentir em relação a isso. O vampiro a morde, o leitor volta ao primeiro livro numa referência clara a quando James a mordera. Deixada com o “veneno” agonizando, Edward a encontra e tenta mais uma vez retirar a substância de seu sangue.

Enquanto tenta fazer isso, é atacado pelo vampiro que mordeu Bella. Os dois lutam durante um tempo. Edward cai no chão por conta de um golpe mal-caráter e o vampiro, completamente fora de si, morde Edward e bebe seu sangue. Bella, agonizando no chão, presencia o que aconteceu, mas não consegue se mexer. Edward começa a ter espasmos. Jacob aparece, mas não consegue matar o vampiro, que foge. Edward chama Jacob. Os dois começam a conversar. E para o horror de Bella, Edward pede que Jacob o mate.

Bella começa a gritar, mas Edward diz que era o único modo. Que não seria um escravo. Bella pede a Jacob que mate o vampiro que mordera Edward, mas este a lembra que não adianta, pois estaria condenado à loucura para sempre, mesmo com a morte do vampiro.

Bella chora e grita e Edward implora a Jacob e diz que já está sentindo sua mente ir embora. Após Edward dizer “Eu te amei mais do que todas coisas do mundo. Eu sinto muito”, Jacob o mata. A cena termina com Bella gritando.

A guerra termina, mas os Cullen sabem que venceram apenas uma batalha e que essa guerra duraria por um bom tempo. Bella se despede de todos e diz que não tem condições de ficar, que um dia voltaria para ajudar, mas que não era agora. Ela vai se despedir de Jacob e na conversa deles fica claro que Bella, apesar de saber que ele fizera o certo e vontade de Edward, não conseguia perdoá-lo. Ela diz que vai embora. Jacob diz que fazia as palavras de Edward as dele.

A cena final mostra Bella contando a história da garota que se apaixonou por um vampiro para um grupo de crianças. Uma garotinha então, perguna: “E eles foram felizes?” e Bella responde: “Sim, muito felizes”. Ela pega suas coisas e começa a caminhar em direção a sua casa. O dia está amanhecendo e ela se deixa olhar para o sol alguns instantes. O livro termina com um pensamento de Bella a respeito de Edward, dizendo que ele nunca devia ter se preocupado tanto com sua alma, pois ela podia sentí-la, e que ela estava ali, naquele exato momento. Observando-a por entre as árvores.

O leitor fica em dúvida se Bella se tornou uma vampira ou se Edward conseguiu salvá-la.

E aí? Gostaram do meu final aternativo? Modéstia à parte, eu achei que ficou legal. hahahaha

Será que essas palavras (foram mais de mil), contam pro meu desafio? Quer dizer, isso é uma fanfic, né? enfim… Comentem, pessoas.

Emocionante. Sincero. Simples. Mágico. Não tenho muitas palavras para descrever Looking For Alaska (traduzido no Brasil com o nome estranho e pouco emotivo Quem é você, Alasca?). Só posso dizer que foi uma das experiências de leitura mais incríveis da minha vida e que entrou para o meu top5 livros favoritos de todos os tempos.

Quando minha amiga Amanda voltou de Londres, uma das primeiras coisas coerentes que ela me disse foi “Lê”. E jogou o exemplar de Looking For Alaska em cima de mim. Eu abri a boca pra perguntar alguma coisa e ela me cortou dizendo simplesmente “Lê”. Desde então o livro está à espera no meu armário e todos os dias enquanto eu lia meus duzentos livros teóricos e surtava por conta da prova de seleção da pós, eu pensava no livro dentro do armário e no que ele teria de tão especial assim. Isso porque não era só Amanda que tinha uma coisa com livro, mas também uma outra amiga, a Ily (do blog Por Essas Páginas, clique aqui pra ler a resenha desse livro). E eu confio na opinião delas.

Eu elegi esse sábado para começar a ler o livro. A primeira bateria de prova já tinha terminado e a correção de provas pra escola estava feita. Eu podia me dar ao lixo de ler Looking For Alaska. O livro me agarrou nas primeiras 5 páginas e eu li tudo em doze horas.

As últimas palavras de Rabelais que motivam Miles durante o livro e se tornam uma metáfora e tanto...

O livro, em primeira pessoa, narra a história de Miles (ou Pudge, como passa a ser conhecido), uma cara sem amigos e sem grandes acontecimentos na vida que tem um hobby estranho de ler biografias e decorar as últimas palavras (aquelas mesmo, ditas antes de morrer) de pessoas famosas. Ele resolve ir estudar num colégio interno e é lá que ele faz seus primeiros amigos: Chip (ou Colonel, um cara surtado que tem uma super memória), Takumi (um japonês que não saca nada de tecnologia) e Alaska (uma garota linda, inteligente… e doida).

Mas não se enganem. Apesar de Miles e sua turma se meterem em muita confusão, nada no livro tem cara de Sessão da Tarde. O colégio interno, afinal, é um lugar comum cheio de nerds. hahahaha Porque uma das alegrias de ler esse livro é rir de piadas que provavelmente seus amigos não entendem e pegar as referências literárias que pra você é lugar comum, mas que pra muita gente não é. Eu não conseguia deixar de pensar que o colégio Culver Creek era o colégio interno que eu e Amanda nunca estudamos. Tirando provavelmente a parte do excesso de cigarro. hahahahahaha

Miles se apaixona por Alaska e ela claramente tem uma atração por ele; o problema é que ela ama muito seu namorado. Mas não ache que esse é um livro mi mi mi sobre triângulo amoroso, porque não é! O leitor acompanha Miles e sua vida comum em um novo lugar, seus amigos e seu amor por Alaska até a metade do livro. Quando tudo muda. Mas eu não vou contar porque.

Sobre a Alaska do título...

Looking For Alaska é um livro sobre a procura do eu, do amor, da vida… de tudo. É também um livro sobre adolescência e sobre envelhecer. E também sobre família. Mas também é um livro sobre sexo. E sobre crenças. E rebeldia. E também não é sobre nada disso em especial. Para mim é uma mistura de O Apanhador no Campo de Centeio, Harry Potter (okay, tudo na vida me lembra Harry Potter, então não conta muito…), Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, 500 dias com ela, Sociedade dos Poetas Mortos e até mesmo um livro que eu mesma escrevi ano passado.

É importante lembrar que apesar de ser um livro sobre adolescentes, eu não sei se seria um livro para adolescentes. Pelo menos não para a maioria. O livro, inclusive, enfrentou uma grande polêmica nos Estados Unidos por conta das cenas de adolescentes fumando, bebendo e transando explicitamente ao longo das páginas. Sinceramente? Eu não vi nada demais.

O livro não é uma apologia ao álcool ou cigarro e muito menos trata sexo como uma questão banal. Pelo contrário. Eu achei todas as cenas de sexo do livro muito bem escritas e muito bem boladas, inclusive. John Green consegue mostrar e pesar muito bem essa questão sexual e claramente faz uma oposição entre sexo por sexo e sexo por sentimento. Qualquer ser humano com mais de três neurônios consegue perceber que um livro que faz um questionamento sobre os sentimentos mais profundos do ser humano não iria ser uma apologia à vida oba-oba.

Mas infelizmente a grande maioria da população tem três ou menos de três neurônios.

Tem um vídeo do John Green, que é um vlogger super assíduo, sobre o assunto. Clique aqui pra ver. Está em inglês.

Enfim, acho que essa resenha ficou muito emocional, mas é sobre um livro emocional. (Posso dizer que chorei quando Colonel começou a falar que estava memorizando a capital de todos os países do mundo?) Recomendo muito a todas as pessoas e tenho certeza que será uma leitura inesquecível.


ENQUETE!

Sem falar muito

Isso é um blog azul sobre coisas mais ou menos azuis a meu respeito.

Clique aqui para receber as atualizações do blog por e-mail!

Junte-se a 12 outros seguidores

A vida alheia do Twitter