Mundo de Coisas Minhas

Archive for agosto 2011

Que blogueiro nunca ouviu essa pergunta? E mais, essa pergunta acompanhada de comentários do tipo: mas você escreve assim o que você pensa, pra quê? Mas você escreve de graça? Mas você não sempre fala que tá ocupada, como é que você desperdiça seu tempo num troço desses? E tem gente que lê? Mas eu entrei no seu blog e não tem comentário nenhum, então pra quê você continua escrevendo?

Hã…

"Eu penso, logo blogo"

Então, é um troço complicicado e imagino que seja bem pessoal. Eu tenho um troço com escrita. Sério. Desde pequena eu lembro de ter um caderno com capa da Miney onde eu as escrevia histórias que eu inventava. Mais tarde virei ficwriter, escrevendo histórias baseadas na série Harry Potter. Depois eu entrei pra faculdade de Letras e comecei a escrever trabalhos acadêmicos. A minha trajetória inteira é marcada por escrever e comentar. A relação com o blog vem disso. É um jeito da coisa não ficar só na minha cabeça e é um jeito de eu ter mais disciplina. Por mais que eu não atualize todos os dias, fica uma luzinha na minha cabeça acendendo ESCREVE NO BLOG ESCREVE NO BLOG, aí eu escrevo. Simples assim.

Já tive uns 10 blogs ao longo da vida. Todos abortados em menos de um ano. Atualmente tenho dois: esse e o Livros de Fantasia (só para resenhas/comentários de livros do gênero). Os dois têm mais de um ano de vida e vão bem. O que fez com esses dois blogs vingassem e os outros não?

Sei lá.

Mas escrever nesses dois tem sido no mínimo terapêutico. É um jeito de eu ficar sempre em contato com a palavra escrita, sem cair no extremo de ser super informal (tipo meu antigo caderninho da Miney) nem super formal como os trabalhos da faculdade. Além disso, ler e escrever em blogs me ajuda a formar opinião. Ajuda mais que assistir TV, sabia?

"Como blogar: aqui está tudo o que você precisa saber"

Hoje em dia tem blog de tudo. Tem blog pra te ensinar a passar no vestibular, a prova da OAB (juro que tem!!! joga no Google), blog pra troca de receita, blog que contas as últimas do Big Brother Brasil pra quem não tem TV a cabo e até blog te ensinando a fazer um blog de sucesso. Então, em que categoria se enquadra esse meu blog aqui?

Então, aqui eu falo de filmes e livros, algumas coisas sobre mim, algumas coisas que eu penso e principalmente, falo sobre minhas obcessões pessoais. hahahaha Porque eu sou chata. Quando eu gosto de uma coisa fico apurrinhando as pessoas por conta dessa coisa e postar sobre essa coisa no blog me faz chatear menos pessoas e manter os amigos. rs

Isso aqui, como o nome diz, é um Mundo de Coisas Minhas. Então não sei muito bem definir o que esse blog É, então vou para o que esse blog NÃO É:

  • Uma forma de ganhar dinheiro.

Sinceramente, não tenho intenção nenhuma de encher isso aqui de anúncio e ganhar uma grana por acesso, cliques, e bla bla bla. Meu objetivo não é ter um número bombante de acessos e ganhar páginas de fãs no Facebook ou virar uma celebridade online e de repente sair por aí virando garota-propaganda de sabão ou qualquer coisa assim. É um lazer, não um negócio.

  • Uma forma de me auto-promover.

Não, não quero ser famosa e ganhar a tal página de fã do Facebook que citei acima. Não quero aparecer no CQC nem nada. Não tenho nenhum peixe pra vender. Claro que quero comentários e talz, mas isso pra sentir uma reciprocidade, uma troca de idéias, não para idolatrar minha personalidade e virar uma figurinha carimbada.

  • Um lugar detonar o mundo e falar mal dos outros.

Uma das dicas desses blogs para tornar o seu blog um blog de sucesso é justamente falar mal das coisas, reclamar, usar frases de efeito. Okay, de vez em quando eu fico fula da vida e falo mal dos outros. Inclusive, o post em que falei mal de alguém foi o post que mais me rendeu acessos em toda a história. Foi o post do José Wilker na transmissão do Oscar: 1413 acessos em um dia. Fui até parar no top5 do WordPress Brasil. Só que eu pensei: eu quero realmente ganhar acessos só porque falei mal de alguém? Hã, não. Blog de haters é sucesso na certa, mas eu não acho isso legal. Se não a gente cai no risco de ficar igual o Felipe Neto, odiando tudo sem fundamento e transmitindo frases de efeito que ficam cada vez mais sem efeito.

  • Um lugar para provar que eu sou cool e moderinha.

Definitivamente não! Pra que eu faria isso? Eu nem sei mexer no Twitter, fala sério!

Não sei se isso tudo realmente responde a pergunta do título, mas pelo menos a ajuda a delimitar um espaço. Então vocês que me lêem (sim, eu acredito que vocês estão realmente aí e que os acessos contados no WordPress não são só pesquisas que o Google mandou pro lugar errado), esperem resenhas, comentários de filmes e livros, mais posts sobre The Runaways (sim, eu sei que tenho um probleminha sério rs), coisas sobre feminismo, idéias para projetos meus, pensamentos sobre a vida e sobre minha adolescência anos 2000. Porque é isso.

"Blogar ou não blogar: eis a questão". Super batido já, mas é verdade.

Anúncios

Alguns meses atrás li Neon Angel – A Memoir of a Runaway (sem tradução no Brasil) e confesso que demorei algum tempo para decidir qual era minha opinião a respeito do livro. Essa “lerdeza” vem por conta do conteúdo ao mesmo tempo inacreditável mas realista, dramático mas seco, aumentado mas eufemizado, cru mas cheio de detalhes.

O livro é a biografia de Cherie Currie, da famosa e notória banda dos anos 70 The Runaways (se você está lendo esse blog e não viu nada de The Runaways ainda clique na barra aí ao lado que tem links aos montes). Escrita efetivamente por Tony O´Neil (porque não, Cherie não é escritora apesar de ser uma habilidosa escultora em madeira utilizando uma motosserra – não estou brincando) a partir dos relatos da própria Cherie, o livro conta a conturbada (é, é a palavra que mais se aproxima) da eterna Cherry Bomb.

Cherie e Marie na adolescência... Impossível dizer quem é quem

A bio começa com Cherie aos 13 anos e sua relação de admiração/inveja com sua irmã gêmea, Marie. Clássicos da vida adolescente: se acha feia, tem amigos estranhos, uma fascinação obcessiva por um ídolo (no caso David Bowie) e uma família complicada com pais divorciados. Além disso, Cherie gostava de “causar” na escola usando cabelos pintados e mostrando pra todo mundo quem era a mais freak do pedaço. Até aí tudo bem. Só que a coisa começa ficar mais pesada.

Aos 14 anos Cherie é estuprada pelo namorado de sua irmã gêmea. Com vergonha e medo de ser julgada, ela não faz nenhuma denúncia e não conta para ninguém o que aconteceu, com exceção de Marie que a aconselha a ficar mesmo de boca fechada. Visivelmente traumatizada ela mergulha na música, no visual andrógeno de Bowie e como não poderia deixar de ser, nas drogas.

Pílulas, cigarro, bebida, festinhas, shows. Isso tudo com o background familiar cada vez mais deteriorado com direito a pai alcóolatra, rejeição materna (a mãe dela literalmente a abandona em prantos num aeroporto a fim de se mandar pra Indonésia com o namorado) e cunhado irresponsável. A entrada na banda The Runaways sacudiu ainda mais o mundo de Cherie, agora com o excêntrico Kim Fowley a lhe dizer constantemente que ela era feia, incapaz e que não tinha “autoridade rock´n´roll”.

A relação amor/ódio com Kim Fowley: apesar das humilhações constantes, era ele quem prometia o sucesso a Cherie

Os abusos de Kim Fowley com a banda rendem capítulos e mais capítulos inclusive o infame “A aula de educação sexual de Kim Fowley” que inclusive quase rendeu processo por parte do mesmo e um post enfurecido por parte de Jackie Fox (ex-companheira de banda) dizendo que tal coisa nunca aconteceu. Verdade ou não, o capítulo é chocante uma vez que mostra o então gerente da banda abusando sexualmente de uma garota bêbada na frente de Cherie, Sandy West, um amigo delas e Scott Anderson, o outro gerente da banda.

Cherie acusa Fowley ainda de tê-la semi-prostituído para um famoso músico da época. A cena em que Cherie acorda no dia seguinte e vê a si mesma, o cara e o todo quarto coberto de sangue menstrual é tão vívida que é possível sentir a humilhação da garota de então 16 anos.

Brigas internas da banda, depressão, abuso de drogas pesadas, chantagem familiar e abandono permeiam as páginas do livro. E é difícil lembrar que durante todo esse tempo Cherie ainda era adolescente. O relacionamento com o gerente da banda Scott Anderson (um homem de mais de trinta anos) é debatido abertamente, inclusive sua gravidez aos 16 anos após voltar da turnê européia. Cherie conta como se sentiu um pouco melhor e mais esperançosa ao descobrir que teria um bebê, mas é convencida pelo pai a abortar, uma experiência que ela marca como “a pior que alguém poderia ter na vida”.

Não é uma leitura fácil, no sentido de que a história narrada é muito pesada. Depois de sair da banda, afundada no abuso de drogas, Cherie é sequestrada por um serial killer, torturada e violentada durante horas. Ela consegue escapar somente para se ver ridicularizada por um tribunal que atribui a ela a culpa de tudo que aconteceu e ainda condena o agressor a uma pena ínfima. Aos 21 anos, Cherie chega ao grau terminal por conta de seu vício em cocaína.

A reviravolta das últimas páginas, no entanto, é impressionante. Cherie se interna numa clínica de desintoxicação, se livra do vício de cocaína e tenta recuperar sua carreira. Torna-se conselheira para adolescentes viciados e depois preparadora física. Casa-se com o ator Robert Hayes, tem um filho, divorcia-se e continua a melhor amiga do ex-marido. Um dia, dirigindo numa auto-estrada, vê um cara fazendo uma imensa figura de madeira usando uma serra elétrica. Ela resolve se dedicar a essa arte e hoje é uma das grandes campeãs da categoria.

É uma forma de arte bem esportiva, eu diria

Obviamente que o livro apresenta inúmeras contradições. Cherie às vezes fala da família como a melhor coisa de sua vida, somente para depois dizer que eles a prejudicaram e abandonaram. Clama uma amizade com a mãe sendo que o leitor vê que obviamente as duas têm sérios problemas de relacionamento. Diz que as outras Runaways eram como suas irmãs, somente para contar páginas depois que elas não eram nada próximas. Fatos são fantaziados, dramatizados e é claro a mão do escritor que usa e abusa de metáforas clichés para causar um efeito maior.

Eu não utilizaria esse livro para dar uma conta fiel da história de The Runaways (eu acredito mais na versão de Jackie Fox e de Vicki Blue, mostrada mais explicitamente no documentário Edgeplay), até porque Cherie é famosa por ser uma drama queen. Mas o livro funciona como retrato de uma época e conta, com seus exageros e dramas, a história de uma mulher no mínimo incomum que conseguiu superar diversos preconceitos, em várias esferas.

Interessante:

  • Na década de 80, Cherie lançou uma versão de sua bio entitulada “Neon Angel: The Cherie Currie Story” que tinha uma  versão mais “amenizada” dos fatos (ou seja, excluindo o abuso sexual, a violência, o aborto, a semi-prostituição, o sequestro, …).
  • O prefácio da versão atual é de Joan Jett.
  • O livro conta com várias fotos em papel brilhante mostrando Cherie em vários momentos de sua vida.
  • Foi esse livro que deu origem ao filme The Runaways.

Demorou, mas saiu o terceiro post sobre a trajetória de The Runaways que, mesmo depois de 3 meses, ainda continua como  termo mais procurado do blog seguido de “Jackie Fox”. Obrigada a todos que procuraram e comentaram. Esse blog tem orgulho de ser uma das poucas fontes seguras sobre The Runaways em português.

Só pra lembrar, esse post faz parte do projeto Born to Be a Runaways Fan e toda a informação veiculada foi retirada de declarações feitas pela própria banda. Para ler os posts anteriores, clique aqui.

Paramos em 1976 às vésperas da turnê da banda pela Europa. O último show da turnê nacional em solo americano foi no famoso Starwood L.A em Los Angeles, no dia13 de setembro. Kim Fowley recentemente contou em seu Facebook que o Led Zepepelin assistiu a esse show e que no final da apresentação, Robert Plant disse: “Isso funciona!”. O show é um marco histórico da banda, mas não só pelo reconhecimento artístico. Segundo a autobiografia de Cherie Currie, foi nesse show que ela vestiu pela primeira vez o infame espartilho branco. O traje que seria para sempre associado à sua imagem.

A polêmica do Espartilho Branco

Qual é o efeito de uma garota de 16 anos cantando de lingerie e plataforma?

É importante lembrar que o espartilho não era só polêmica entre o público, mas também entre a própria banda. Em Edgeplay, Cherie dá a entender em seu depoimento que viu a lingerie numa loja e que as Runaways decidiram que seria uma boa idéia comprá-lo para Cherie vestir. Mas o depoimento de Jackie dá a entender o contrário: que o espartilho não era bem visto pelas demais membros por apelar para um lado sensual que a banda não queria tomar. Afinal, elas queriam ser reconhecidas por sua música de qualidade e não por serem bonitas e sensuais. Lita Ford diz também no documentário que o espartilho mandava a mensagem errada e trazia atenção demais para algo que não era o foco. Kim Fowley, no entanto, diz que nunca teve a intenção de fazer de The Runaways uma banda sensual e que achava que o espartilho era algo “esportivo”. Esportivo? Um espartilho pode ser muita coisa, mas definitivamente não é esportivo, Sr. Fowley!

A questão é que Cherie fazia trocas de roupa entre as músicas por conta do tempo em que passava sem fazer nada. Porque, apesar de ser a vocalista principal, Joan Jett fazia vocal solo em uma quantidade considerável de músicas (nessa época, “You Drive Me Wild”, “Blackmail”, “Take It or Leave It”, “Rock ´N´Roll”, etc). Além disso, em músicas como “Johnny Guitar” onde o solo de guitarra guiava por vários minutos, Cherie se via no palco sem muito o que fazer. A troca de roupas vinha como um plus nos shows e ela passou a usar o espartilho em “Cherry Bomb”. Em sua autobiografia, ela diz que no palco se sentia a verdadeira Cherry Bomb e não mais Cherie Currie.

A prova de que Kim Fowley tinha uma mal gosto desgraçado e não entendia porcaria nenhuma do que as garotas estavam tentando fazer...

O problema é que o apelo visual de Cherie acaba causando impressões errôneas. O ato de vestir lingerie no palco e cantar uma música com o refrão “Olá papai / Olá mamãe / Eu sou a sua bomba de cereja / Olá mundo/ Sou sua garota selvagem” pode ser interpretado como 1) um ato transgressor que coloca a mulher numa posição de voz ativa sobre sua própria sexualidade e lugar no mundo; 2) como um ato amoral condenado pela sociedade que só podia mesmo ser feito por uma garota pervertida e vagabunda ou 3) como a ação de alguém que está desesperadamente tentando chamar a atenção porque não tem talento. Os fãs da banda (e eu me inclui) iam pela opção 1. Já o público geral ia pela 2 (tradicional família americana rs). E infelizmente, muitos músicos da cena da época iam pela opção 3.

No filme The Runaways, por exemplo, há uma cena em que as Runaways, numa passagem de som antes de um show, são zuadas por dois caras de uma banda de rock. Para se vingar, Joan Jett faz xixi na guitarra de um deles nos camarim. Essa cena nunca aconteceu. Joan, nos comentários em audio do filme, diz que a banda a que a cena se refere é o Rush, mas que ela nunca fez xixi na guitarra de ninguém. O caso é que Neil Peart e Geddy Lee realmente começaram a rir durante uma passagem de som das Runaways e houve um momento tenso entre as bandas. Ainda nos comentários do filme, Joan diz que esse é o tipo de coisa que a deixa puta da vida, mas que nunca fez nenhuma vingança, muito menos urinar no equipamento de alguém. O episódio aconteceu em 1977 numa festa em homenagem ao Rush.

Como fã do Rush (sim, ironicamente) digo que esse é um comportamento um tanto fora dos padrões da banda que é reconhecida por ser hiper educada e solícita. No entanto, escolher The Runaways para abrir pro Rush é uma escolha infeliz. Infeliz porque Rush e The Runaways são simplesmente bandas conceitualmente opostas. Enquanto The Runaways preza pela intensidade no palco, pelo rock ´n´ roll simples e cru, Rush está interessado em diversidade musical, tocar com máxima perfeição músicas extremamente difícieis. The Runaways é puro feeling enquanto Rush é pura técnica. Claro que The Runaways tem técnica (vide Lita Ford e Sandy West) e claro que Rush tem feeling (vide Alex Lifeson), mas o foco é diferente. Então, como muitos fãs disseram na internet, a coisa toda pode ter sido simplesmente um atrito de bandas e ideologia. Mas ninguém nunca vai saber o que aconteceu. O Rush nunca comentou a respeito.

Joan comenta sobre a má receptividade entre o meio de rock majoritariamente masculino:

Elas parecem uma ameaça?

Tinha um monte de filhos da mãe. Tinha algumas pessoas que era receptivas. Um monte de gente que achava [a banda] fofa e um tanto engraçada, mas tinham bandas que definitivamente tinham alguma contra contra a gente. (…)

Tinha muitos caras que nos tratavam que nem lixo e eram bem crueis. Isso certamente passou do passado com The Runaways para minha própria banda [referindo-se a sua carreira com os Blackhearts]. Eu vi bandas que disseram: “Eu não acredito que eu tenho que dividir o palco com o uma vadia”. (…)

É uma coisa de testosterona estranha. Eu não entendo porque eles se sentem tão ameaçados. Eu acho muito interessante, como uma questão social de nossa sociedade. Como é que isso deixa gente tão nervosa? Eles estão tão fechados nos papéis que mulheres têm que ser subservientes e que elas não podem ter personalidade própria. Eu acho com o caso do rock ´n´ roll, apenas a menção das palavras “rock ´n´ roll” implicasexualidade. Eles não mostravam Elvis da cintura pra baixo. Chuck Berry era considerado o tipo de pessoa que chegaria para levar seu filho de 14 anos pra fora de casa. Rock ´n´roll sempre foi considerado como um meio muito sexual. Eu acho que quando uma garota diz que está tocando numa banda de rock ´n´roll, ela está declarando que tem o poder sobre sua sexualidade e está dizendo o que ela vai fazer sobre isso e não o contrário. Algumas pessoas acham isso muito ameaçador.

http://www.juicemagazine.com/JOANJETT.html

Um bando de garotas tocando rock com letras sobre sexo com certeza era ameaçador. Um bando de garotas menores de idade tocando rock com letras sobre sexo era mais ameaçador ainda. O que nos dá uma idéia clara sobre a polêmica do espartilho.

A turnê da Europa

A turnê pela Europa foi fundamental para o sucesso da banda, que foi mais bem quista do outro lado do Atlântico do que nos EUA. Além disso, o impacto musical resultante dessa turnê foi avassalador pois as Runaways chegaram bem no boom de encontrar o início da cena punk rock. A influência dessa interferência foi crucial para definir as personalidades musicais da maioria das integrantes. Cherie, fã das melodias mais tradicionais, diz ter detestado o punk rock por julgá-lo violento e pouco harmônico. Já Sandy e Lita não incorporaram exatamente o movimento por terem sempre sido mais ligadas ao heavy metal e suas composições mais complexas. Joan, por outro lado, abservou a atmosfera completamente:

O estilo punk de Joan veio com a viagem pra Europa

Eu deixei a América de botas plataforma e glitter e quando voltei estava completamente punk. (…) Eu saí e vi o The Clash tocar o primeiro album. Tinha umas 2000 pessoas todas pulando ao mesmo tempo, o que foi uma coisa que eu nunca tinha experenciado e nem imaginado na América. (…) Era realmente assombroso. Era simplesmente incrível. Era tão poderoso. Foi muito bom ir lá ver e então voltar pros EUA e tentar proseguir com aquilo. (…) Musicalmente e emocionalmente, eu era ligada aos Ramones e aos Sex Pistols, definitivamente. Eu amava o The Clash. Minhas influências no entanto… Eu acho, que logo no começo, eu ainda tinha influência de muita coisa glitter musicalmente, mas eu achava que muito do punk rock tinha uma estrutura bem similar.

http://www.juicemagazine.com/JOANJETT.html

Cherie, em sua autobiografia, diz que os punks da Europa tomaram as Runaways como parte de sua cultura musical. Mas que nem por isso a atmosfera nos shows deixava de ser hostil. Facas atiradas no palco, brigas e xingamentos eram constantes e Cherie diz que era a forma deles de “mostrar afeto”. Cherie passou a chamar muita atenção à medida que a banda ia ganhando mais sucesso internacional. Seu rosto virou o símbolo da banda e a loira recebia cada vez mais mensagens de fãs e ganhava mais espaços nas entrevistas. A situação passou a ficar tensa com as outras garotas, principalmente com Lita. As brigas entre as duas eram constantes e a hostilidade, declarada.

Com o clima tenso dentro e fora dos palcos, o uso de drogas tornou-se mais constante. Uso inclusive encorajado pelo gerente Scott Anderson que chegou a insinuar aos pais das garotas que se eles tentassem fazer com que suas filhas parassem de usar drogas, eles estariam condenando-as à falta de criatividade e à morte no mundo do rock ´n´roll. Foi por essa época que Cherie manteve um relacionamento amoroso com Scott, um homem no mínimo 15 anos mais velho que ela. Scott ganhou fama de irresponsável por não só icentivar o uso de drogas de menores, mas por também manter relações sexuais com elas. Jackie Fox foi a única que nunca caiu na rede de Scott Anderson: nunca usou drogas e nunca transou com ele.

Jackie, inclusive, era a única a questionar a falta de dinheiro. Kim Fowley não pagava as garotas, alegando usar o dinheiro dos shows para pagar a gravadora. No documentário Edgeplay, Jackie, Lita, Cherie e Sandy contam a experiência de ter que sempre pedir dinheiro e sobreviver à custa de hamburgueres baratos. Kim e Scott ainda estimulavam a constante briga por atenção entre a banda, fazendo as garotas brigarem entre si. A lógica, mostrada em Edgeplay, era: Cherie era muito ligada a Joan e às vezes a Jackie. Já Jackie dividia-se entre temporadas de amizade com Cherie ou com Lita. Cherie e Lita se destestavam. Sandy é descrita como tranquila em relação a todas, mas tinha mais amizade com Joan. Acho interessante dizer que as cinco não tinham muito em comum. Elas não eram amigas antes de entrar para a banda e se viram de repente forçadas a conviver sob um clima tenso.

Jackie, além de acusada de não saber tocar baixo direito, é descrita como a sabe-tudo-insuportável da banda na autobio de Cherie

O caso as Runaways vão parar na cadeia

Essa é uma história de três versões. Vou contar as três. Mas as três começam do mesmo jeito: as Runaways estavam saindo de Dover para uma embarcação até Calais, na França, quando a Scotland Yard parou o carro. Elas foram acusadas de roubo. As malas foram revistadas e Joan, Cherie e Sandy foram presas. O roubo eram de chaves de hotel que elas “colecionavam”, sugerindo uma idéia dada por Robert Plant. Mesmo dizendo que não sabiam que pegar as chaves de hotel poderia configurar roubo na Inglaterra, a coisa complicou.

  • Versão de Joan Jett

Joan diz que foi o momento mais assustador de sua vida vida e que sentiu-se extremamente mal e vulnerável. Ela não dá detalhes de como o mal-entendido foi resolvido. Ela conta a história nos comentários em audio do filme The Runaways.

  • Versão de Jackie Fox

Jackie não foi presa, mas conta em seu blog o relato das outras integrantes. Jackie diz que Joan, por ser a única maior de idade na época, foi posta numa cela diferente da de Cherie e Sandy. Querendo ficar com as companheiras de banda, Joan começou a cantar “Dead End Justice” a plenos pulmões até que o guarda ficou estressado e resolveu colocá-la junto das outras duas.

  • Versão de Cherie Currie

Cherie diz que as três entraram em pânico, pois além do lance das chaves, Cherie tinha guardado cocaína no estojo de maquiagem (e ela frisa que Scott deu a cocaína pra ela) e todas as malas iam ser revistadas pela polícia. Joan ficou em uma cela separada por conta de ser maior de idade e entrou em pânico por estar sozinha e por ter claustrofobia. Ela começou a chorar muito, o guarda ficou com pena e a colocou junto às colegas.

E aí, em qual versão você acredita? A de Jackie é a mais rock and roll…

Tá vendo o estilo glitter? Essa era a imagem da Joan antes do punk: maquiagem e brilho!

De volta a Los Angeles, as Runaways estavam visivelmente em crise interna. Em Edgeplay, Jackie, Cherie e Lita chegam a dizer que não era mais divertido e que aquilo tudo tinha virado um trabalho. Foi nesse clima, por uma obrigação de contrato, que saiu Queens of Noise. Gravado no Brothers Studio em Santa Monica, o álbum foi basicamente produzido pelas próprias Runaways. Isso porque Kim Fowley estava ausente. Jackie Fox, no entanto, lamenta a situação:

Porque Kim não estava por perto para dar uma de babá, nós acabamos fazendo muita coisa da nossa cabeça na produção, o porquê de que, na minha opinião, Queens of Noise não é um álbum muito bom. Nossa idéia de produção era bem a de colocar o nosso instrumento o mais alto possível. Sandy se recusou a tocar com um metrônomo e, como resultado, muitas das músicas tem um tempo desigual. A batida na maiorida as músicas é arrastada e nós simplesmente tentamos demais fazer as coisas de um jeito estiloso.

http://runawaysstories.blogspot.com/2009/08/august-4-2000-queens-of-noise.html

Título: Queens of Noise

Lançamento: 1976

Gravadora: Mercury Records

Produção: Kim Fowley, Earle Mankey

1. Queens of Noise (Billy Bizeau): Uma música emblemática da banda, mas que tem uma versão de estúdio pouco enérgica a meu ver. Joan canta solo na música e Jackie faz o back. As guitarras são pouco impactantes e confesso que demorei a me acostumar com a música (ouvi primeiro a versão ao vivo). A história por trás dessa gravação é tensa: Cherie dizia que Bizeau compôs a música para ela, mas em um dia em que Cherie não estava no estúdio, Joan gravou com a aprovação do resto da banda. Nem é preciso dizer que quando Cherie descobriu foi o caos – principalmente porque Joan já estava cantando solo em metade das músicas do setlist das Runaways – e foi feito um acordo de que nas apresentações ao vivo Cherie cantaria a primeira estrofe e Joan a segunda.

2. Take It or Leave It (Jett): Joan canta solo na música que é totalmente influenciada por Suzi Quatro. O tema é sexo casual. O riff de guitarra é bacana e solo de Lita muito bom.

3. Midnight Music (Currie/Fowley/Steven Tetsch): A música foi feita para atender os apelos de Cherie por músicas mais melódicas, mas ninguém da banda nunca gostou da música. A faixa fica no meio do caminho: não é nem 100% melódica nem 100% rock and roll, mas eu particularmente gosto muito. Curiosidade: Lita gravou o baixo original da música, pois Jackie estava no hospital internada com pneumonia. Mais tarde, Jacki regravou o baixo. Lita destestava tanto a música que elogiou Jackie dizendo que a melhor parte da música era o baixo (o que é definitivamente um elogio, uma vez que Lita sempre dizia que Jackie era uma baixista medíocre).

4. Born to Be Bad (Fowley/Steele/West): A música já existia desde os primórdios da banda e a letra é de Kim Fowley. Joan no vocal solo gravou a faixa bebendo Jack Daniels e é possível ouvi-la chorar pouco depois do solo de Lita. Eu sinceramente não sei se gosto dessa música porque ela beira perigosamente  o puro brega.

5. Neon Angels on the Road to Ruin (Ford/Fowley/Fox): Letra de Kim Fowley mais uma vez com refrão de Lita e estrofe de Jackie. A música foi uma concessão ao lado mais heavy metal de Lita. Os vocais de Cherie são impecáveis e a pegada de guitarra é provavelmente uma das melhores de Lita.

6. I Love Playing With Fire (Jett): Essa é simplesmente minha música favorita de The Runaways. Simplesmente porque consegue captar toda a força, energia e transgressão da banda. Sensacional! Uma das melhores interpretações de Joan nos vocais, sem dúvida. E também uma de suas melhores guitarra base. E eu concordo com Jackie Fox, é o melhor solo de Lita Ford!

7. California Paradise (Fowley/Jett/Kari Chrome/West): Outra música dos primórdios da banda. É uma música ótima, com um vocal muito bom de Cherie mas que ficou estranha na versão de estúdio. O excesso de reverber na bateria é insuportável. Ah, lembrando que “California Paradise” é a única música de The Runaways com solo de guitarra de Joan (o primeiro solo é dela e o segundo é de Lita).

8. Hollywood (Fowley/Fox/Jett): Vocal principal de Joan e provavelmente uma das melhores combinações vocais da banda. Durante o refrão o back é de Jackie e a voz dela misturando com a de Joan dá um efeito ótimo e a certa altura é bem difícil discernir quem está cantando qual parte. O baixo é bem marcado e provavelmente é a melhor linha de baixo de Jackie.

9. Heartbeat (Currie/Ford/Fowley/Fox/Earle Mankey): Lita e Jackie fizeram a música e Jackie fez a letra da música que originalmente se chamaria “Joey” e seria uma paródia de canção de amor para Joey Ramone. Jackie iria cantar solo na música, mas Cherie não gostou, uma vez que Joan já estava cantando solo em metade do album. Kim Fowley então sugeriu que as duas dividissem os vocais. A tentativa não surtiu efeito (Jackie diz que a voz dela e a de Cherie não “se davam bem”) e a gravação foi suspensa. No dia seguinte, quando Jackie chegou no estúdio, Cherie já tinha gravado a música e a transformado em uma canção de amor para David Bowie. Num show em Boston mais tarde, Jackie se vingaria do fato. Durante um show da banda em que David Bowie supostamente estaria na platéia, Cherie dedicou a música a ele fazendo uma grande cena. Mas no meio da música, Jackie tirou o suéter e ficou só de sutiã, roubando toda a atenção. rs Mas de qualquer forma, Bowie já tinha ido embora a essa altura. Quanto a “Heartbeat” é uma música totalmente não-Runaways.

10. Johnny Guitar (Fowley/Ford):  Considerada por alguns a pior música que The Runaways já gravou (incluindo aí Jackie Fox) e por outros uma das melhores. Difícil dizer. “Johnny Guitar” é um blues de 10 minutos com uma letra cantada por Cherie contendo a velha metáfora guittara-sexo. O solo de Lita corre solto e é um bom solo, apesar de extremamente longo. E os gemidos de Lita ao fundo são um tanto estranhos.

Sobras de estúdio (mais tarde incluídas no album Flaming Schoolgirls): “C´mon”, “Hollywood Dream”, “Hollywood Cruisin´”, “Strawberry Fields Forever” e “Here Comes the Sun”.

Originalmente essa seria a capa, mas Jackie sugeriu que a foto fosse trocada. O argumento era que o título iria arruinar a foto.

A campanha de Queens of Noise

Com Queens of Noise e a turnê na Europa, a banda ganhou mais projeção. Kim Fowley começou a pegar pesado no marketing e de repente The Runaways se viu como a maior importação de discos do Japão, ao lado de bandas como The Beatles e Led Zeppelin. Foi então que surgiu a possibilidade de se fazer uma turnê no Japão, que é o assunto do próximo post.

Pessoal, compilar toda essa informação dá muito trabalho, então não posso prometer quando será o próximo post. Vida super corrida. Mas enquanto isso, alguns audios legais pra vocês curtirem.

Para conferir a bibliografia, cheque os posts anteriores.

Gravações do show no Starwood L.A em:


ENQUETE!

Sem falar muito

Isso é um blog azul sobre coisas mais ou menos azuis a meu respeito.

Clique aqui para receber as atualizações do blog por e-mail!

Junte-se a 12 outros seguidores

A vida alheia do Twitter