Mundo de Coisas Minhas

Archive for outubro 2010

Hoje quando fui eram duas horas da tarde e fazia um calor insuportável. Pra variar, eu ainda me esqueci do título de eleitor – por algum motivo a idéia ELEIÇÃO escapou da minha cabeça hoje de manhã – e tive que voltar em casa pra buscar. No entanto, quando ouvi o barulhinho TILITILIM da urna senti que tinha feito alguma coisa.

Não, não acho que o mundo vai mudar nem que o Brasil vai sair da pobreza assim de uma hora pra outra. Nunca vou me esquecer da minha professora de história da quinta série – Gilcéia, saudade! – que disse o seguinte quando Lula foi eleito: “O que as pessoas não vão entender é que quando elas se decepcionarem – porque vão – a culpa não vai ser do  Lula. Ninguém trás mudança sozinho. As coisas não vão se transformar no dia 1 de janeiro”. Nunca esqueci isso e essa idéia acabou por moldar minhas idéias a respeito de liderença e democracia.

Eu me sinto aliviada. Sério. Me sinto feliz pelo povo brasileiro não ser burro a ponto de colocar o país de novo nas mãos do PSDB. Me sinto feliz por pensar no poder do voto, por saber que nós, blogueiros, professores, estudantes, artistas, temos o mesmo valor que donos de grandes empresas e monopólios. O voto vale um. E vale um pra todo mundo. É algo tão poderoso e ao mesmo tempo tão pouco valorizado. Por que é que não pensamos no que temos nas mãos? Por que é que conseguem nos convencer de que um voto não vale nada? Por que acreditamos neles? E o mais importante: por que deixamos eles fazerem isso com a gente?

Quem são eles?

Pensa um pouquinho. Não vou estragar a surpresa.

Em seu discurso, Dilma falou da força da mulher. Não que eu ache que mulheres são melhores que homens – longe disso, sempre defendo a idéia de que somos todos iguais – mas acho significativo e importante o fato de uma mulher ter chegado à presidência em um país ainda tão arraigado em valores ultrapassados sobre superioridade de sexos. Eu acho incrível o fato de uma Dona Maria pobre do interior de Minas ter votado na Dilma. Sério. É isso que me faz acreditar que estamos melhorando.

Então parabéns, Dilma, por ter se mostrado e vencido a sujeirada.Por mostrar um caminho de honestidade. Porque pelo menos isso.

*respiro de alívio*

Eu não sou o tipo de pessoa que discute política com facilidade. Não sei, tenho preguiça de ficar discutindo com motorista de táxi e gente sem noção do trabalho ou da faculdade. Normalmente guardo minhas opiniões para mim mesma e para as pessoas de convívio próximo com quem acho que vale a pena conversar. No entanto, em alguns momentos é necessário expressar a nossa opinião. Acho que esse é um desses momentos.

Essa eleição é suja. E por isso mesmo, dá muito medo. Tem hora que você sente uma confiança de “ah, vai dar tudo certo” mas tem hora que o mundo parece que vai explodir. Porque eu nunca vi, sinceramente, tanta baixaria. Começando pela eleição do governador e senadores de Minas. Para quem não sabe, nosso ex-governador é Aécio Neves, um dos Senadores mais votados. Quando Aécio sacou que estava disparado nas pesquisas resolveu abandonar a própria campanha e implorar (literalmente) votos para Itamar Franco (?) e Anastasia (atual governador eleito em Minas). A propaganda era mais ou menos assim: “Obrigado pelo apoio. Agora, peço que votem nos meus amigos Itamar e Anastasia. Vocês podem fazer isso por mim?”. Dava vontade de quebrar a TV.

Mas também, eu não entendo o que Minas viu em Aécio Neves. Só sei que a galera tem uma adoração freak por ele. A imprensa mineira não fala mal do Aécio. Nunca. Por que ele é um bom político? Não. Porque ele é influente. Tem gente que diz que ele será o próximo presidente. Eu tenho medo dessa profecia maldita. Até porque a falta de comentário sobre ele me assusta. Como assim? Como assim? Como assim? Vocês não falam mal de todo mundo?

Para demonstrar o que eu quis dizer com adoração freak vou contar um caso que vi com meus próprios olhos. Isso aconteceu na Praça Sete de Belo Horizonte, ou seja, no coração da área central da cidade. Estavam fazendo propaganda pro PSDB (Serra Presidente, Aécio e Itamar Senadores, Anastasia Governador). Tinha um monte de panfletos no chão – uma coisa que odeio em época de eleição -, pilhas e pilhas de flyers, algumas bandeiras e reproduções do Aécio Neves em tamanho natural feitas de papelão! Estou eu andando tentando fugir da tucanada que quer a todo custo me dar – ou me fazer engolir – um panfleto, quando uma mulher rouba a imagem natural de Aécio Neves. Isso mesmo, ela saiu carregando o modelo em papelão do cara! Agora vamos fazer uma pausa para descrever a mulher: mestiça, muito provavelmente membro da classe E, por volta dos 50 anos, gritando alto pela rua. O que ela estava gritando? “Vem cá comigo, meu gostosão” – isso pro modelo do Aécio – “oh homem gostoso e vai ficar lá no meu quarto. Nossa, é bão demais esse homem”.

*inserir cara de espanto e horror da Melissa aqui*

Essa mulher levou por cinco quarteirões o modelo do Aécio e entrou no ônibus com ele! E mais, outras pessoas pelo caminho apoiavam a decisão dela, gritando que o Aécio era gostoso mesmo e bla bla bla.

*mais uma pausa para o choque*

O que é isso? Bem, isso é o que eu não consigo entender: classe baixa votando em PSDB. Não faz sentido.

Que os ricos de classe A e B votem neles, eu entendo perfeitamente. Afinal, como muito bem disse uma vez a Amanda, deve ser incrível votar em alguém que realmente defende os seus interesses. Agora, pobre e classe média baixa votando no PSDB não faz sentido. Profesor estadual votando em PSDB não faz sentido. Estudante votando em PSDB não faz sentido.

Deu pra notar que eu sou contra o PSDB?

A mera idéia de ter um presidente desse partido me deixa com calafrios. E eu tenho três grandes motivos – das listas e listas que eu poderia fazer – para dizer isso:

  1. O Brasil cresceu mais com o governo do PT e se projetou a nível mundial. O que era Brasil na era FHC? Nada. O que é Brasil nos anos 2000? Um país importante no fechamento de acordos internacionais, um país que cresceu. E não adianta falar que não, que não quer, as estatísticas estão aí pra provar.
  2. Privatizações. O que acontece com governos neoliberais mesmo? Ah é, eles vendem a Vale do Rio Doce por preço de banana junto com as companhias de água, luz e telefone. Isso tá soando familiar pra alguém? Vamos perguntar aos nossos vizinhos da Argentina o que eles acham disso tudo depois o que país deles quebrou por conta dessa mesma ideiazinha de “vamos vender nossas riquezas”?
  3. PSDB joga sujo.

O terceiro motivo sinceramente é o que mais me incomoda porque eu odeio mesquinharia. Mesquinharia por mesquinharia que monta essa sociedade bonita que a gente vive hoje e mesquinharia nas altas esferas do poder faz coisas como, bem, como a propaganda eleitoral do Serra.

O post do blog Escreva Lola Escreva mostra bem essa idéia. Essa questão do aborto foi um golpe muito sujo e a sujeira só está gerando mais sujeira. Acho sim que o aborto é um tema que deve ser discutido por toda a sociedade brasileira já que é primeira causa de morte em hospitais depois das doenças cardíacas. No entanto, não deve ser discutida do jeito que está sendo. Simplesmente pra condenar uma pessoa e pior, pra caluniar uma pessoa, no caso, a Dilma.

Fazer panfleto dizendo que está do lado de Jesus é demais. Nada contra Jesus, pelo contrário, mas isso é lavagem cerebral pra galera das igrejas mais radicais! Que coisa descarada! Que coisa feia! Que coisa nojenta! Jesus não gosta disso não, galera.

Então eu volto à questão: por que você está votando nesse partido? Por que? Se você não é rico e não vai ter os seus interesses defendidos? Por que, minha senhora, você que mora na periferia está levando o modelinho do Aécio Neves? E por que você que estuda na Universidade Federal de Minas Gerais está votando no Serra?

Meu problema não é com os fiéis da igreja que vão dizer que a Dilma é do demônio. Meu problema é com quem disse pros pastores e comandantes de igreja para dizerem pros seus fiéis que a Dilma é do demônio. E quem foi que fez isso? Três chances.

Eu não entendo porque pessoas que têm o mínimo de pensamento crítico não estão vendo essa podridão da campanha eleitoral. Por que ninguém pergunta pro Serra das privatizações? Dos cargos que ele abandonou? Das favelas que ele não ajudou? Das empresas internacionais que ele financiou? Por que ficar perguntando a Dilma sobre aborto, peloamordedeus! Por quê, vendo tudo isso acontencendo, você está votando no PSDB? Você realmente acredita que as coisas vão melhorar?

Se você acredita mesmo nisso, então tá, vote. Mas se você está votando PSDB simplesmente porque odeia o Lula, porque odeia o PT, porque Dilma fez aborto, porque seu pastor falou que o PT fez pacto com o demônio, porque o Aécio é gostosão, porque a sua mãe gostava do FHC, porque a Dilma é feia, porque a Dilma tem câncer, porque você acha que o Brasil tá uma merda, porque você não tá nem aí pros pobres miseráveis, porque você leu na Veja, CUIDADO!

Pare e pense um pouquinho. Só um pouquinho. Se a campanha está suja agora, imagina um mandato deles.

Se não deu pra sacar, eu vou votar na Dilma. Pronto falei.

 

 

Rush é uma daquelas bandas que pouca gente conhece. Não que seja uma banda ruim, mas porque é uma banda da década de 70 com músicas de mais de 9 minutos. Enfim.

Sou fã de Rush desde os meus 12 anos, apesar de a minha mãe dizer que sou fã desde que era um feto. Quando ela estava grávida de 6 meses, meus pais fizeram uma viagem à praia e ouviram Rush, Grace Under Pressure durante todo o caminho e eu ficava mexendo na barriga. Já meu pai diz que sou fã de Rush desde que eu tinha uns quatro anos: ele conta que eu então sabia cantar todas as músicas de Power Windows (claro que balbuciando tudo).

Mas vamos dizer que fui uma fã consciente aos 12 anos. Meu pai deixou um CD do Retrospective Rush 1974-1980 por perto e disse “É legal”. Na época eu tinha um discman (olha que coisa arcaica) e resolvi ouvir o disco. Eu adorei! Escutava o dia inteiro e elegi minha música favorita (que é essa até hoje), The Trees, do álbum Hemispheres. Claro que ninguém da minha idade ouvia Rush, então eu pesquisei tudo sozinha. Acabei achando um site ótimo chamado Test4Echo e peguei todas as letras. Meu pai baixou os albuns na internet (porque ele tinha a maioria em LP!) e isso na época em que só existia net discada.

Foi assim que fiquei fã de Rush. Foi assim que aprendi inglês também. Porque eu traduzia todas as músicas e olha que as letras do Rush não são fáceis!

Quando o Rush veio ao Brasil pela primeira vez em 2002 eu não tinha grana pra ir. Comprei o DVD histórico Rush in Rio e fiquei vidrada. Sensacional! E oito anos depois tenho a chance incrível de ir à turnê Time Machine para assistir um show incrível na Praça da Apoteose no Rio de Janeiro!

Eles são incríveis ao vivo! Sério. Nem parece que eles têm 60 anos. Todos parecem tão saudáveis e enérgicos… Eles são engraçados e alto astral, não dá pra acreditar. E são músicos fora de série. Meu Deus, o Geddy Lee é ainda mais sensacional ao vivo. Como ele consegue fazer aquilo tudo no baixo e ainda fazer parecer fácil?

Fiquei na arquibanca e consegui ver tudo de um ângulo incrível. É uma pena que não levei a máquina fotográfica. O show é super produzido. Três telões gigantes mostram o show e alguns clipes super legais com imagens relacionadas às músicas, fogos de artifício explodem, vapor sai da miniatura de Time Machine no palco, uma estrutura de metal se mexe e lança luzes… E no início do show, um vídeo feito pelos integrantes mostrando a banda Rash zoando grandes hits do Rush fez todo mundo rir até… Eu já disse que eles são super engraçados?

Nem sei se consigo descrever o que esse show representou pra mim. Só sei que cantei todas as músicas até perder a voz. Fiquei completamente extasiada. E o show tem 3 horas de duração? Quem faz um show assim? E a sensação que você tem é que eles realmente estão se divertindo. Que para eles aquilo é o melhor momento de todos.

O show começou com The Spirit of the Radio. A galera delirou e cantou junto.

Begin the day with a friendly voice – a companion unobstrusive

Play that song that is so elusive and the magic music makes your morning mood

O início do setlist para mim foi a melhor parte do show. Em sequência veio Time Stand Still (que dá pra fazer chorar), Presto e Stick it Out. Na sequência uma música nova (que não curti muito) e a instrumental Leave That Thing Alone. Depois mais duas músicas novas e pra fechar a primeira parte do show vieram Freewill, Marathon e Subdivisions (as três me deixando maluca de tanto pular e cantar).

O intervalo foi de vinte minutos e uma projeção no telão ficava mostrando a Time Machine avançando nos anos e todo mundo ficou super ansioso por saber o que viria a seguir: a execução completa do album Moving Pictures que nesse ano completa 30 anos. Quando o indicador marcou 1980 a banda começou com Tom Sawyer e a galera delirou.

A modern-day warrior Mean mean stride, Today’s Tom Sawyer Mean mean pride

Depois veio Red Barchetta, YYZ (que apesar de instrumental fez todo mundo acompanhar com Ooooo oooooooooooooh), Limelight (com seu solo incrível), The Camera Eye, Witch Hunt e pra encerrar o album, mas não o show, Vital Signs. Veio então uma música nova e o Drum Solo do Neil Peart.

Nessa hora começou a garoar e eu achei melhor descer para um lugar que tivesse teto. Não consegui, mas até que foi legal ver o show lá de trás porque os telões eram imensos, então não perdi nada. E o Drum Solo é um exagero. Depois dele, veio uma versão nova de Closer to the Heart que adorei, 2112 Overture e The Temples of Synrix (galera delirando de novo) e uma música do Snakes and Arrows que só tinha ouvido falar, Far Cry.

Hora do bis! E ele veio com La Villa Strangiatto (zuando muito por conta do início em forma de polka) e depois Working Man (que começou com uma versão de reggae esquisita). Saí do show no meio da última porque fiquei com medo de não conseguir taxi para ir embora e sabe como é, RJ é uma cidade perigosa.

Enfim, melhor show da minha vida. Inesquecível. Pena que eles não tocaram The Trees, a favorita de todas. Mas tenho certeza de que vou ver isso um dia.

Geddy Lee, agora mais que só um ídolo musical. Bacana demais.

A parte boa de não levar a câmera foi que curti o show intensamente, sem me preocupar com zoom e flash. Pelo menos isso.

No meu Facebook, links de vídeos do show em alta definição.

Rush Rush Rush!


ENQUETE!

Sem falar muito

Isso é um blog azul sobre coisas mais ou menos azuis a meu respeito.

Clique aqui para receber as atualizações do blog por e-mail!

Junte-se a 12 outros seguidores

A vida alheia do Twitter